domingo, dezembro 04, 2011

Olhar Perdido no Espaço (e no Tempo)

 
 
 
 
UMA FOTO, UMA LEITURA
Fotografia: António Tedim (http://antoniotedim.blogspot.com)
Texto: Rui Santos (http://cognitare.blogspot.com)
 
Olhar Perdido no Espaço (e no Tempo)
 
 
 
 

Sentei-me no café para ler tranquilamente o jornal. Separo cuidadosamente os dossiers que interessam e deixo de lado a publicidade. Peço o café, beberico-o cuidadosamente, acolhendo paulatinamente cada trago na boca sôfrega daquele magnífico líquido castanho de sabor amargo.

Observo de soslaio a sala e, quando me preparo para ler as notícias que se repetem semana após semana, vejo aquele olhar perdido no espaço (e no tempo). Um homem na casa dos setenta anos, ora se dirige para a janela, ora afunda o seu rosto no jornal, mudando raramente as páginas do periódico, não consigo ver qual é, mas é daqueles que se oferecem nos semáforos. O seu olhar pequeno e rasgado está apoiado por uma sombra escura e inchada, como se dois papos se tratassem. O seu sorriso tímido de pouco à-vontade projeta a humildade que transpira em cada gesto, o que magnetiza a minha atenção. Tem as mãos gastas, de pele rija e calejada, com dedos fortes e encorpados, o seu fato de domingo e a pele escura quase escondem a face marcada de rugas grossas e profundas. Em cada uma das linhas daquela face morena consigo imaginar uma jornada da vida, vejo-o a nascer em casa, a chorar pela primeira vez quando inspirou pela primeira vez seguido de uma bofetadas fortes, a jogar à bola descalço festejando o golo que marcou com aquela bola feita de trapos e meias rotas, o seu primeiro dia de escola, o seu último dia do quarto ano, o seu primeiro dia de trabalho com onze anos, os cachaços dos seus encarregados, a sua luta por não chorar, a sua resiliência para ganhar uns trocos para ir a um baile, a sua primeira dança, o seu primeiro beijo, o dia do seu casamento, o dia do nascimento do filho que não pôde assistir porque estava a fazer turno no segundo emprego, o dia em que se reformou, o dia em que conseguiu olhar para trás e respirar lentamente, sem pressas, apenas a recuperar o fôlego.

Ambos temos um chávena de café à nossa frente, eu com uma panóplia de dossiers dos quais só metade se aproveita, e o homem, de fato grosso de cor castanha com riscas finas, tem unicamente o exemplar oferecido. A sua cara transmite uma serenidade de dever cumprido, não tem pressa, desfruta o momento com prazer, ao contrário de mim que o faço quase como se de um ritual se tratasse. A sua tranquilidade era de tal forma contagiante que deixei de lado os jornais e deixei-me levar por aquela suave quietude, observando cada gesto lento e preciso, cada momento importante, como o sorriso inocente, onde se podia ver a falha dos dentes que caíram e não foram substituídos, a dificuldade em ler o jornal, notando-se perfeitamente que a força que fazia para focar pedia a ajuda suplementar de óculos, o pedido de um copo de água com a timidez de quem não quer incomodar.
         
Quando a generalidade das pessoas vivem obcecadas com a carreira, o dinheiro, um bom carro, uma casa grande numa zona nobre, vivendo em função do que é estereotipado como ter sucesso, aquele homem de pele escura, corpo cansado e de trajes humildes, tem algo que poucos têm, a tranquilidade e serenidade de uma realização pessoal.
               
Aquele olhar perdido no espaço (e no tempo) encontrou-me, e eu, deixei-me guiar por ele.

Sem comentários:

Enviar um comentário